Ciencias da Analise Comportamental

O comportamento é definido como o conjunto de reações de um sistema dinâmico em face às interações e realimentações propiciadas pelo meio onde está inserido.Assim este forum foi criado para debates, apresentação de artigos, praticas de analise e etc..
 
InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se

Compartilhe | 
 

 O estudo da cultura pela Análise do Comportamento

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo 
AutorMensagem
Admin.Mauricio
Admin


Mensagens : 60
Data de inscrição : 19/11/2009
Idade : 28
Localização : Recife

MensagemAssunto: O estudo da cultura pela Análise do Comportamento   Dom Set 26, 2010 3:02 am

O estudo da cultura pela Análise do Comportamento

Angelo A. S. Sampaio
Mestre em Psicologia Experimental: Análise do Comportamento pela PUC-SP
Membro do Grupo Análise do Comportamento e Cultura da PUC-SP e da Comissão de Apoio da ABPMC para Difusão da Análise do Comportamento
Professor da UNIP

O comportamento humano é fruto da inter-relação entre a história evolucionária da espécie (filogênese), a história comportamental do indivíduo (ontogênese) e a história cultural do grupo ao qual o indivíduo pertence. Estas três histórias podem ser compreendidas através de um mesmo modelo causal: a seleção por conseqüências. Só um esforço conjunto voltado para estes três níveis de seleção por conseqüências pode permitir uma adequada compreensão do comportamento humano. Estas proposições são defendidas por Skinner ao menos desde a publicação do livro Ciência e comportamento humano (Skinner, 1953). A importância da cultura para a conformação do comportamento humano, portanto, é enfatizada pelos analistas do comportamento desde a década de 1950. Além disso, assume-se que “a manipulação deliberada da cultura é em si mesma uma característica de muitas culturas – um fato a ser explicado por uma análise científica do comportamento humano. Propor uma mudança em uma prática cultural, fazer a mudança e aceitar a mudança, são partes do nosso objeto de estudo.” (Skinner, 1953, p. 427, itálico acrescentado)
Skinner (1953), entretanto, igualou cultura a ambiente social (porção do ambiente composta por outras pessoas) e a tomou fundamentalmente como parte das explicações para o agir individual e não como algo a ser explicado em si mesmo. O interesse dos analistas do comportamento pelo estudo da cultura como um conjunto de ações humanas que também deve ser explicado parece ter ganhado destaque apenas após a explicitação do modelo causal de seleção por conseqüências em três níveis no artigo Seleção por conseqüências (Skinner, 1981). Neste artigo, a evolução cultural é retratada claramente como um processo análogo ao do reforço do comportamento operante. Apesar de Skinner (1981) atribuir o estudo do nível cultural à Antropologia, muitos analistas do comportamento passaram a buscar compreender e integrar de modo mais explícito a evolução cultural com a evolução do comportamento “individual”. Na década de 1980, desta forma, surgem diversos trabalhos, eminentemente teóricos ou interpretativos, perseguindo o objetivo de integrar o que seriam as áreas de estudo da Psicologia e da Antropologia (ou das Ciências Sociais). As fronteiras entre as Ciências Humanas estavam sendo rompidas.
A autora que possivelmente mais se destacou nestes esforços foi Sigrid. S. Glenn, com suas propostas em torno do conceito de metacontingência. Ao analisar o romance utópico Walden Two (Skinner, 1948), Glenn (1986) introduziu o conceito de metacontingência buscando esclarecer “a distinção traçada por Skinner entre a seleção do comportamento operante em indivíduos e a seleção de práticas culturais em sociedades.” (p. 2). Uma metacontingência foi definida como “a unidade de análise que descreve as relações funcionais entre uma classe de operantes, cada operante com sua própria conseqüência imediata e única, e uma conseqüência a longo prazo comum a todos os operantes na metacontingência.” (Glenn, 1986, p. 2) Ao longo dos anos, esta autora tem refinado constantemente os conceitos empregados para lidar com a evolução cultural. Em 2004, por exemplo, uma metacontingência passou a ser definida como uma relação funcional entre 1) contingências comportamentais entrelaçadas recorrentes (isto
é, interações repetidas entre mais de uma pessoa) que funcionam como uma unidade integrada e 2) um efeito gerado por elas (produto agregado) que afeta a probabilidade de repetição futura das contingências comportamentais entrelaçadas (Glenn, 2004, p. 144).
Além de refinar o próprio conceito de metacontingência, Glenn (1988, 1989, 1991) buscou integrar a Análise do Comportamento com uma abordagem da Antropologia (o Materialismo Cultural de Marvin Harris), propôs a adoção de uma terminologia próxima à da Biologia Evolucionária para tratar da evolução cultural (Glenn, 2003) e sugeriu a distinção entre dois tipos de fenômenos culturais: os que envolvem seleção cultural (metacontingências) e os que não envolvem tal seleção (macrocontingências) (Glenn, 2004).
Os novos conceitos propostos por Glenn e sua articulação teórica com perspectivas de outras disciplinas científicas levaram a muita discussão teórica, à tentativa de interpretação de diversas questões sociais e atraíram a atenção de muitos analistas do comportamento brasileiros (Todorov, 1987; Andery & Sério, 1997; Todorov, Moreira & Martone, 2005; Andery, Micheletto & Sério, 2005). Em 2005, por exemplo, realizou-se junto ao encontro anual da Associação Brasileira de Psicoterapia e Medicina Comportamental, em Campinas, um encontro de pesquisadores (do Brasil, dos EUA, do Reino Unido e da Noruega) interessados no tema da análise cultural (Think tank on metacontingencies and cultural analysis) – a primeira de uma série de reuniões semelhantes realizadas também em outros países.
Até o início da presente década, porém, não havia nenhuma tentativa sistemática de validar empiricamente os conceitos de metacontingência e macrocontingência. Após muitos anos de elaboração teórica e interpretativa, isso mudou: os esforços dos interessados na análise da cultura passaram a se concentrar em como estudar empírica e sistematicamente este fenômeno e na elaboração de métodos adequados de estudo. O Brasil destaca-se nesse novo cenário conduzindo as primeiras tentativas de estudar metacontingências experimentalmente. Valendo-se também de estudos da Psicologia Social, pesquisadores brasileiros buscaram reproduzir em laboratório as principais características de fenômenos culturais: relações sociais, trabalho em grupo, geração do que é chamado de produto agregado, substituição dos membros de um grupo etc. (Vichi, 2004; Martone, 2007; Pereira, 2008). Os primeiros trabalhos empíricos brasileiros têm estimulado a pesquisa na área em diversas regiões do país (por ex. na UFPA, UnB, PUC-SP e UFSC) e no exterior.
No estudo da cultura pela Análise do Comportamento, o momento de teorizar e interpretar sem muito embasamento empírico sistemático parece ter ficado para trás. Os esforços têm se voltado cada vez mais para questões metodológicas. O grande desafio agora parece ser a construção de situações adequadas de pesquisa. Além da construção de situações experimentais em laboratório, tem-se discutido a possibilidade do uso de experimentos naturais ou quase-experimentos para o estudo sistemático da cultura (Pierce, 1991; Kunkel & Lamal, 1991; Mattaini, 1996; Sampaio, 2008). Um exemplo de estudo que pode ser visto como um quase-experimento é o de Machado (2007), que analisou as relações comportamentais envolvidas na intervenção cultural que levou ao respeito à faixa de pedestres em Brasília a partir de meados da década de 1990. Machado (2007) coletou dados estatísticos, entrevistas, notícias de jornais etc. tentando reconstruir historicamente e analisar as relações comportamentais envolvidas no surgimento das novas práticas culturais relacionadas à travessia na faixa de pedestres.
Estudos como esse mostram a possibilidade de produzir conhecimento empírico confiável e válido sobre o tema da cultura mesmo sem o controle experimental possível em um laboratório. Como Skinner (1953) enfatizou décadas atrás:
no campo do comportamento humano, particularmente no planejamento cultural, devemos reconhecer um tipo de complexidade em face da qual o rigor de uma ciência de laboratório não pode ser mantido. Mas isso não significa que a ciência não possa contribuir para a solução de problemas cruciais. Está no espírito da ciência insistir em uma observação cuidadosa, na coleta de informações adequadas e na formulação de conclusões que contenham o mínimo das ‘expectativas do pesquisador’ [wishful thinking]. Tudo isso se aplica tanto às situações complexas quanto às simples. (p. 435)
As perspectivas abertas pelo estudo empírico e sistemático da cultura pela Análise do Comportamento ainda não foram devidamente apreendidas. A única certeza é que novas pesquisas sobre o tema só irão ampliar nossa compreensão e capacidade de intervenção sob o mundo à nossa volta. Os pesquisadores brasileiros interessados no tema podem bem estar no local e no momento certo para dar importantes contribuições para estes objetivos.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://analisecomportament.forumeiros.com
 
O estudo da cultura pela Análise do Comportamento
Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo 
Página 1 de 1
 Tópicos similares
-
» [Resolvido] Tive uma imagem roubada (pela internet), como resolver?
» Responsável pela seção
» Comprar um domínio personalizado pela Forumeiros
» Reponsavel pela seção
» Registro de membros aceite pela administração

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
Ciencias da Analise Comportamental :: Artigos e Debates-
Ir para: